Ponte de Safena? Mas porque logo eu?

teste

Ponte de Safena

Você deve estar pensando:

Porque me mandaram colocar em vez de fazer , aquela molinha que desentope a coronária?

Bem, existem vários critérios para escolher entre a cirurgia de ponte de safena ou , e a angioplastia.

Em geral é assim:

Se o paciente tem muitas lesões ou obstruções, aumenta a chance de indicarem cirurgia pois seriam necessárias várias angioplastias para desentupir tudo, aumentando o risco de alergia a contraste ou problemas anestésicos.

Se tem diabetes ou outras doenças graves como hipertensão severa, coração fraco ou dilatado, idem.

Obstruções no tronco da coronária esquerda, mesmo pequenas, geralmente indicam cirurgia, pois é como um engarrafamento numa grande avenida. Se tentar desentupir o tronco com cateter de angioplastia, pode causar infarto por não ter OUTRA maneira de chegar sangue ao coração, já que a coronária esquerda á a principal artéria.

Lesões excêntricas (ocupam mais um lado da artéria que outro) ou em" cotovelo", também podem fazer com que um azarado precise de ponte de safena por causa de apenas uma artéria...é raro mas possível.

A ponte de safena é feita retirando a veia safena da perna e suturando-a (anastomose) na Aorta e na artéria coronária doente. Ela é uma verdadeira ponte.

Como é uma veia, vai precisar se adaptar ao grande fluxo de sangue e pressão da Aorta, e com o tempo vai endurecer e criar aterosclerose de novo.

Mesmo assim, foi uma revolução se comparada com o tratamento antigo, que era só ficar olhando!

A "ponte" de Mamária tecnicamente é uma anastomose simples, não uma ponte. A artéria mamária fica atrás das costelas, e pertinho do coração. Basta descolar da costela e recolocar a parte final dela direto na coronária. Por já ser uma artéria de verdade, tem maior duração que a safena, já está acostumada com a pressão.

NO outro extremo estão alguns pacientes que têm um monte de obstruções mas são em artérias finas, de pouca importância, ou em posição fácil de fazer angioplastia, aí o sortudo faz uns 3 procedimentos com intervalos, e está resolvido (por enquanto...).

O é o nome daquela molinha que se coloca na angioplastia. É bem parecida com uma mola de carga de caneta, mas é trançada como uma cerca de arame.

É possível fazer só o desentupimento simples com o balão do cateter, direto na artéria, esmagando a gordura nas paredes, mas usando o Stent fica bem melhor. Diminui a chance de reestenose ou reoclusão.

Se o paciente for diabético, muitas vezes vale a pena usar o , recoberto com uma substância que diminui a chance de reestenose também.

O problema é o custo/benefício, pois um Stent farmacológico é MUITO mais caro que o comum e não faz tanto milagre quanto alguns querem crer.

E infelizmente, falar de dinheiro em medicina é feio, mas alguém tem que pagar a conta...

Claro que cada caso é um caso, estas foram apenas dicas gerais.

Inclusive há casos em que os dois procedimentos podem ser feitos, cada médico vai decidir de um jeito.

Medicina não é matemática, quem me dera...

Espalhe a notícia

Deixe uma resposta